Maria Ivone Vairinho e Poetas Amigos

Outubro 16 2009

A nossa querida Associada Maria Vitória Afonso enviou-me cópia de duas cartas (já publicadas no Diário do Sul), da sua correspondência com a escritora brasileira Maria da Luz Alves, que há pouco tempo lançou em Portugal o seu último romance, A Filha do Cerrado, que a APP publicitou.

 

Gostei muito destas cartas abertas e espero que os associados também gostem de um estilo e hábito que se vão perdendo na época em que a internet é dona e senhora da comunicação, em que os poemas, os trabalhos se seguem numa velocidade tal que muitas vezes não conseguimos sentir na sua plenitude a sua mensagem,  o seu perfume poético.

Para mim, ainda continua a ser importante o "cheiro" do livro, do papel nas minhas mãos!

Maria Ivone Vairinho

 

Amizade e Literatura

 

Carta Aberta à romancista Maria da Luz Alves

 

Regressada da Beira Alta, após umas mini-férias tive logo o prazer de te ver e conversar contigo através do M.S.N. e câmara enfim a facilidade das novas tecnologias nos darem a oportunidade de falarmos do que muito nos encanta na vida: literatura brasileira e literatura portuguesa. 


Não levava comigo ideias de escrever mas sim de ler. Comprei o “Expresso” pois como sabes não dispenso a leitura da “crónica do lado de lá”de Luís Fernando Veríssimo. Depois de ler o seu livro”As Mentiras que os Homens contam” que gentilmente me trouxeste do Brasil como oferta, não mais vou perder a oportunidade de me deliciar com o seu humor, a sua sabedoria.
Se é verdade que filho de peixe sabe nadar, Luís Veríssimo filho de um dos maiores romancistas do Brasil tem um estilo inconfundível.
Eu já te contei que tive o privilégio de aos 15/16 anos conhecer pessoalmente Érico Veríssimo quando ele se deslocou à cidade de Beja. Conseguindo um convite que não foi fácil de obter eu assisti à conferência e à sessão de autógrafos.  Curiosamente apenas duas jovens, eu e uma amiga,  se encontravam na assistência.
E foi a nós duas que Érico Veríssimo se dirigiu para colocarmos as questões que iniciariam o debate o que fizemos com o orgulho e entusiasmo próprios da idade.
A grande empatia que o escritor tinha com a juventude....

Eu obtive um autógrafo para o livro “Um lugar ao Sol” e a minha amiga para o livro “O resto é silêncio”.Foi para nós um dia inesquecível....
Depois li todos os livros de Érico Veríssimo de que continuo grande admiradora Quando comecei a ler os teus romances eu encontrei alguma semelhança com a obra de Érico Veríssimo:
-Muito humanismo
-Vivacidade nas descrições
-candura dos personagens
-magia na caracterização do sul brasileiro

Por coincidência tu trazes-me um livro do filho dele e  eu tornei-me incondicional admiradora do grande cronista Luís Veríssimo antes mesmo de saber que era dos maiores do Brasil.
De vez em quando envio-te para o Brasil as minhas crónicas do Diário do Sul.
Generosamente dizes que arquivas num dossier as minhas crónicas. E que no humor te faço lembrar o Luís Veríssimo. Não amiga....Eu como dizem os alentejanos  sou apenas uma”c(u)riosa”.

Em linguagem alentejana significa uma pessoa que gosta de fazer uma coisa para a qual tem apenas um jeitinho.
Mas o que dizes é um grande estímulo para o meu desejo de continuar a escrever.
Nas nossas conversas falamos de escritores portugueses. Eu sou uma grande admiradora de Miguel de Sousa Tavares.
Aprecio a sua escrita  criativa e sensível .Deve ser herança genética daquela senhora sua mãe ,que foi grande  na poesia e na prosa e encantou gerações: Adultos, adolescentes e crianças.
Nos nossos debates falei-te muito do “Equador”.E aconteceu algo interessante que me contaste: No avião em que viajavas de  retorno ao Brasil, um pouco triste por deixares os teus amigos Fernando Reis Costa e Maria Vitória, logo ali encontraste sentada a teu lado uma senhora muito agradável, antropóloga brasileira e que levava nas mãos precisamente”O Equador” de que eu te tinha falado.
E como tu levavas um exemplar de “A Filha do Cerrado” logo ali fizeram a troca .
Durante as 10horas de viagem leste o romance de Miguel Sousa Tavares e  a outra senhora encantou-se com o teu romance.
E contaste-me bem feliz (o que é a amizade) que a referida antropóloga ao terminar a leitura do meu texto na contracapa proferiu “Muito bem escrevem estes portugueses.”
Isso me deu tanta alegria como o sucesso que tiveste na apresentação desse mesmo livro na cidade de Amora com todas as associações culturais da cidade a apoiarem e a imprensa local de carácter cultural a fazer a cobertura do evento

:-Jornal do Seixal
-Notícias do Seixal
-Boletim da Casa do Educador do Seixal
-Revista Tarde Cheia da Unisseixal

Minha querida  amiga :É um privilégio falar contigo 2 ou 3 vezes por semana sobretudo de literatura onde  abordamos temas de Machado de Assis, Cecília Meireles,   Manuel Bandeira, Paulo Coelho de quem és amiga,  e dos portugueses também, José Luís Peixoto, Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, Fernando Reis Costa nosso amigo comum e muito conhecido no Brasil etc,  etc. E quero dizer-te que a nossa parceria luso-brasileira na qual esteve inserida  a apresentação do teu livro em Portugal continua...
Não levarás a mal que eu partilhe com os leitores deste jornal de que me orgulho de ser colaboradora e que te chega por vezes aí, que tu e eu  temos o projecto de publicar um livro em conjunto incluindo 10 contos brasileiros e 10 contos  portugueses  na sua maioria de temática alentejana.

Muitos beijinhos daquela que consideras a tua irmã mais velha

Maria Vitória Afonso

Publicada no Diário do Sul em inícios de Outubro

 

     Carta aberta  a  Maria Vitória Afonso

 

Certa vez percebi que uma gotinha de inveja me perturbava. Fiquei furiosa!... É um sentimento que sempre quis bem distante de mim.
O fato é que conheci primeiro a tua literatura, depois, a pessoa maravilhosa que és. E, assim que criei coragem de ser conduzida pelo “pássaro grande” como disseste numa das tuas crônicas, um pouco receosa pensei: Com esta timidez não sou capaz de manter um diálogo!... Maria Vitória é fina. E eu, neste jeito biriba de ser, sinto-me aparvalhada. Quem dera se eu fosse como a professorita de espanhol!...
Maldito sentimento!... Ainda bem que me policiei há tempo!
Não há competição para a amizade. Os valores são diferentes. O bom amigo é como o joalheiro; em cada pedra trabalhada deixa o seu esplendor. Com o tempo de convivência, descobrimos o quanto a amizade é importante em nossas vidas. É algo primordial que devemos cultivar. A presença de um amigo com quem temos afinidades, é um privilégio sem preço. Pela vida a fora conheci muitas pessoas, mas que ficaram no esquecimento. Eu não soube conquistá-las; ou, talvez não souberam elas como penetrar neste coração arranhado pelas decepções. No entanto, através de Fernando Reis Costa e de ti, querida amiga, conheci outras pessoas que me despertaram desejo em preservar a amizade. Vocês me ajudaram a abrir a janela d’alma. E hoje, com carinho, agradeço. Agora sei que a solidão pode secar até os nossos pensamentos. E um bom amigo desperta em nós o desejo de sair do isolamento que obscurece a própria razão.
Lembro-me de certa vez que comentei contigo pelo MSN sobre um dos primeiros livros que li: “Olhai os Lírios do Campo”. O autor, Érico Veríssimo, é para mim um mágico que entrelaça o bem e o mal a ponto de nos fazer chorar. Até mesmo com as lágrimas, na leitura, ele nos consegue prender. Tu me disseste ser ele um dos teus favoritos. Então, apresentei-te o filho, Luís Fernando Veríssimo. — Enquanto o pai nos faz chorar com os romances, ele nos desperta o riso. — Aliás, isto é melhor! — Comentamos.
Ainda naquele dia, falei que eras privilegiada porque conheceste Érico Veríssimo pessoalmente. Logo me disseste: Ainda podes conhecer o filho que, como tu, mora no Brasil. Então, descobri no momento que faz parte do teu feitio levantar o ego de quem está contigo.
Em nossas conversas, tu me despertaste o interesse em conhecer José Saramago, Miguel de Sousa Tavares e outros contemporâneos; uma vez que antes, com exceção de ti e de Fernando Reis Costa, eu lia somente Fernando Pessoa, Florbela Espanca e os clássicos.
Assim, através da literatura luso-brasileira começamos a descobrir a nossa primeira afinidade. Agora são tantas!...
Essa troca de cultura parece que nos faz compor um fórum de experiências vividas no dia a dia. E assim nos comportamos como se não vivêssemos em dois paises diferentes. Apesar de falarmos a mesma língua, compartilhamos de variação linguística e costumes que aguçam a nossa curiosidade. Daí, aprendemos mais.
Hoje nos conhecemos não só como uma amiga virtual, mas como se fôssemos da mesma família. Aliás, com um privilégio a mais: Parente não se escolhe e eu te escolhi para seres a irmã do meu coração.


Maria da Luz

São Paulo, 5/9/2009
Publicado no Diário do Sul em meados de Outubro

publicado por appoetas às 18:56

Outubro 16 2009
Olá amigos especiais
 
AMOR PERENE  é o tema que marca lugar esta semana
neste meu espaço poético... Condido-os  para o ver e ouvir
em  poema da semana ou aqui neste link:
 
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Perene_Amor/index.htm
 
Obrigado pelo vosso aprazível acompanhamento.
Cordiais saudações
Euclides Cavaco
cavaco@sympatico.ca
 
Venha tomar comigo um cálice de poesia...
Entre por aqui na minha sala de visitas:
www.ecosdapoesia.com
 
publicado por appoetas às 18:45

Outubro 16 2009
Carissímos amigos
Muito bom dia
 
RETRATO DO TEMPO   é o poema declamado com que hoje vos brindo.
Este tema evidencia o que vai acontecendo lentamente a todos nós
nesta passagem terrena, sem quase darmos por isso...
Veja e ouça este tema em poema da semana ou aqui neste link:
 
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Retrato_do_Tempo/index.htm
 


Saudações amigas
 
Euclides Cavaco
cavaco@sympatico.ca
 
Venha tomar comigo um cálice de poesia...
Entre por aqui na minha sala de visitas:
www.ecosdapoesia.com
 
 

 
publicado por appoetas às 18:44

Outubro 16 2009

 

    Não respondi, na altura certa,  ao ”desafio” lançado pela APP na homenagem ao poeta Luís de Camões cujo mote era - “Amor é fogo que arde sem se ver” - mas hoje deixo aqui o meu modesto contributo.
     
     
     
    Amor é fogo que arde sem se ver
    É coberta espessa e quente em noite fria
    É mão invisível dum braço qualquer
    Que acarinha e a dor nos alivia
     
    É a luz que nos conduz pelos caminhos
    Pedregosos e estreitos desta vida…
    O motor que quando tristes e sozinhos
    Nos incute a força certa na subida
     
    Amor é chão, cais seguro, porta aberta,           
    É corrente e elo, é traço d’união,
    É a palavra certa na hora incerta…
     
    É sorriso, é abraço e explosão…
    Mas também esp’rança e fé que nos acerta
    E regula o bater do coração.
     
    Abgalvão
     
publicado por palavrasaladas às 14:26
editado por mariaivonevairinho em 18/10/2009 às 13:03

Outubro 16 2009
 
Minha caneta amo-te imenso
Tu minha vida alma
Sangue azul intenso
Espelho da minha calma
 
Tinta e ocorre-me á lembrança
O pobre a pedir esmola
Dava-lhe um tostão ainda criança
Antes de ir para a escola
 
Vejo passar a minha vida
Num galopar de loucura
Maduro fruta caída
Maçã a irradiar frescura
 
Por alta noite ás horas mortas
Quando o silêncio é profundo
Tu escreves por linhas tortas
Eu afasto-me do mundo
 
E a noite perde-se em cavaco
Nas trevas onde me sinto
Distante dentro de um buraco
Escrevo e a escrever não minto
 
Escrevendo escrevo e não digo
Alivio o pensamento
És pura loura como o trigo
Os meus amigos levou-os o vento
 
Hoje delicias do abandono
No silencio uma trombeta
Amigos tenho o sono
O papel e tu a minha caneta
publicado por carlos cardoso luis às 00:04
editado por mariaivonevairinho às 18:42

Este blogue está aberto aos co-autores e Poetas Amigos de Maria Ivone Vairinho
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
17

20
24

28
30
31


links
pesquisar
 
Tags

11 poemas inéditos de carlos cardoso luí(1)

25 anos app(11)

ada tavares(18)

adriano augusto da costa filho(39)

albertino galvão(11)

albina dias(18)

alfredo martins guedes(2)

ana luísa jesus(4)

ana patacho(3)

anete ferreira(3)

antónio boavida pinheiro(22)

app(5)

armindo fernandes cardoso(3)

bento tiago laneiro(5)

carlos cardoso luís(13)

carlos moreira da silva(2)

carmo vasconcelos(22)

catarina malanho semedo(2)

cecília rodrigues(48)

cláudia borges(8)

dia da mãe(8)

dia da mulher(9)

dia do pai(6)

donzília martins(8)

edite gil(68)

elisa claro vicêncio(4)

euclides cavaco(100)

feliciana maria reis(4)

fernando ramos(20)

fernando reis costa(3)

filipe papança(11)

frances de azevedo(2)

gabriel gonçalves(14)

glória marreiros(20)

graça patrão(6)

helena paz(15)

isabel gouveia(3)

jenny lopes(11)

joão baptista coelho(1)

joão coelho dos santos(7)

joao francisco da silva(4)

joaquim carvalho(3)

joaquim evónio(9)

joaquim sustelo(70)

judite da conceição higino(4)

landa machado(1)

liliana josué(45)

lina céu(5)

luis da mota filipe(7)

manuel carreira rocha(4)

margarida silva(2)

maria amélia carvalho e almeida(6)

maria clotilde moreira(3)

maria emília azevedo(5)

maria emília venda(6)

maria fatima mendonça(2)

maria francília pinheiro(3)

maria ivone vairinho(14)

maria jacinta pereira(3)

maria joão brito de sousa(69)

maria josé fraqueza(5)

maria lourdes rosa alves(4)

maria luisa afonso(4)

maria vitória afonso(8)

mário matta e silva(20)

mavilde lobo costa(22)

milu alves(6)

natal(16)

odete nazário(1)

paulo brito e abreu(6)

pinhal dias(9)

rui pais(8)

santos zoio(2)

sao tome(10)

susana custódio(15)

tito olívio(17)

vanda paz(23)

virginia branco(13)

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO